O site

Aguas da ribeira da Sertã no pego do mouro
 
Links 
Apresentação da aldeia do Mosteiro Cimeiro

Localização

A localidade do Mosteiro Cimeiro de codigo postal 6100-668, fica pertinho da Senhora dos Remédios e pertence à Freguesia da Sertã na Beira Interior distrito de Castelo Branco. A aldeia está rodeada de pinhal e alguns eucaliptos; nos quintais há oliveiras, videiras e algumas laranjeiras.  De quase todos os pontos da colina se avista a Sertã e as localidades ao redor.


 
Carta satélite do Mosteiro Cimeiro da Sertã - Castelo Branco, Portugal
Habitações no Mosteiro Cimeiro
Habitações no Mosteiro Cimeiro a 39°48'13.87"N e 8° 4'34.74"O ou seja na parte baixa da aldeia.

Na ribeira
O pego do Mouro na ribeira que passa pertinho da aldeia acolhia noutros tempos as lavadeiras; hoje serve de espaço refrescante no verão
 
Videiras
Engados de uvas brancas contra as paredes de algumas casas do Mosteiro e nos seus quintais

videiras trepadeiras

Como há cachos de uvas nas hortas e em algumas raras vinhas, quem tem faz vinho e água-pé.
água-pé é um vinho fraco et suave com uma graduação máxima de 5 a 7 graus que se faz quando o baguaço das uvas ja está espremido : relaxa-se a prensa, espalha-se esse enguaço pelo lagar e junta-lhe água deixando a mistura a fermentar durante a noite. Coze então uns dois meses depois da vindima para estar pronta no São Martinho. Bebe-se jóvem em geral até 5 a seis meses.

A jeropiga já assim não é : tem elevado teor alcoólico visto se faz de mosto abafado com uma quarta parte de água-ardente. Também se bebe a jeropiga no 11 de Novembro com as castanhas assadas do São Martinho ou para companhar frutos secos, como figos, avelãs ou nozes ou com broas de Natal.

Quem tem vinho tem geralmente águardente e há quem como o meu avô fizesse uma garrafa ou garrafão de licor de poejos : põem-se os poejos na águardente durante alguns dias para lhe dar o aroma, retiram-se então os poejos e mistura-se o açucar e um pouquinho de água, tudo muito bem batido.
Veja o mapa do Mosteiro Cimeiro da Senhora dos Remédios  - Sertã :

Uma parte da flora nos arredores do Mosteiro Cimeiro :

Árvores :

Os arredores do Mosteiro Cimeiro encontram-se cobertos de pinheiros e mais recentemente de eucaliptos. Das árvores mais antigas restam alguns carvalhos , castanheiros, algumas azinheiras e escaços medronheiros (Arbutus unedo com frutos comestiveis de que se fazem licores e  águardente).

O castanheiro serviu de base alimentar como o trigo e o milho mas nos dias de hoje costuma fazer a festa só nos magustos do São Martinho quando se prova a água-pé (Dia de S.Martinho, vai à adega e prova o vinho).

Por toda a parte se cultivam oliveiras para azeite mas também se dão bem as laranjeiras.

Arbustos :

No mato há estevas (Cistus ladanifer com folhas cobertas de resina aromática ou láudamo) , carrascos (Quercus coccifera com frutos chamados bolotas), giestas ( Cytisus striatus tambem chamada Portuguese broom com flores entre Maio e Junho e com frutos tóxicos; noutros tempos os seus ramos usavam-se como vassouras), moitas, urze e carquejas.

A carqueja (Pterospartum tridentatum) cresce espontaneamente em Portugal e tem propriedades anti-oxidativas - isso é para a farmácia. De uso mais corrente na cozinha, um ramo de carqueja selvagem serve para marinar ou cozinhar o coelho e não digam que é para o fazer passar por lebre. No sitio da carvalha encontravam-se umas flores cor de rosa a roxo a que chamavam cucos (Paeoniaceae).

A hortelã brava também dá um cheirinho agradável às bordas da ribeira e do ribeiro rodeadas aqui além de junça.